Bem Vindo!

DISCUTINDO RELAÇÕES DE GÊNERO NA ESCOLA: reflexões e propostas para a ação docente

Seja o primeiro a comentar este produto

Disponibilidade: Esgotado

R$39,00

Descrição Rápida

 


ESTA EDIÇÃO NO FORMATO IMPRESSO ENCONTRA-SE ESGOTADA/INDISPONÍVEL.


ADQUIRA AGORA MESMO A EDIÇÃO DISPONÍVEL NO FORMATO DIGITAL/E-BOOK: LIVRARIA CULTURA OU KOBO BOOKS


 


Adla Betsaida Martins Teixeira & Adilson Dumont - orgs.


Este livro discute temas sensíveis, frequentemente evitados na escola, mas que tanto têm causado sofrimentos, humilhações e perdas para muitos indivíduos. Aqui são apresentados temas como assédio sexual, comportamento sexual e liberdade, aspectos da violência escolar, homofobia na escola, construção de masculinidades e feminilidades nos vários espaços de aprendizagem e na relação docente-discente. 
Sua inovação consiste em aliar discussões teóricas a sugestões e estratégias para abordar questões de gênero nos espaços de aprendizagem. Busca-se informar e sensibilizar educadores, formadores e docentes sobre as dificuldades em viver e conviver com as diferenças.
Hoje, no Brasil, essas discussões têm prioridade no Plano Nacional de Educação e no Plano Nacional de Políticas para Mulheres. A análise crítica das questões de gênero objetiva a melhoria de qualidade da ação pedagógica, propiciando um ensino que permita acesso irrestrito a todas as áreas do conhecimento, assim como o desenvolvimento de posturas conscientes e preventivas diante de preconceitos.
Este livro foi elaborado pelo GSS – Grupo de Estudos sobre Gênero, Sexualidade e Sexo – da Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, contando com a contribuição de pesquisadores de diferentes instituições de ensino, públicas e privadas, do país.
Acredita-se que a escola tem o dever e o poder de intervir na formação de indivíduos para que exerçam sua cidadania com solidariedade e justiça. Falar sobre questões de gênero no processo de ensino e aprendizagem é falar sobre respeito aos direitos humanos. 


Esta edição recebeu apoio do GSS - Grupo de Estudos sobre Gênero, Sexualidade e Sexo em Educação, Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, por meio da FUNDEP - Fundação de Desenvolvimento da Pesquisa - Universidade Federal de Minas Gerais.


 




 


PREFÁCIO

Aprendizagens de gênero em espaços educativos ou da importância das "pontes" entre pós-graduação, graduação e escola básica

Temos, aqui, um livro que propõe sensibilizar estudantes de cursos de formação de professores e professoras, bem como docentes em exercício na escola básica para apreender, problematizar e delinear possibilidades de intervenção nas dinâmicas de gênero e de sexualidade que se desenvolvem nos espaços escolares e nas salas de aula em que trabalham. E essa continua sendo, a meu ver, uma proposta desafiadora, sob muitos aspectos. 
Por um lado, é possível dizer que vivemos, hoje, em um contexto em que parece não ser mais muito necessário destacar a visibilidade que as relações de gênero e de sexualidade adquiriram nas teorizações e práticas sociais, culturais e políticas contemporâneas. Nessa direção, se nos dispuséssemos, por exemplo, a fazer uma revisão sistemática de pesquisas, políticas e ações sociais que adotaram perspectivas de gênero e de sexualidade como "lentes" teórico-metodológicas e políticas para problematizar e intervir em processos que instituem e sustentam desigualdades sociais entre homens e mulheres, entre homens e entre mulheres, desde a segunda metade do século XX, poderíamos contabilizar, na área da educação, vários indícios que sinalizam uma trajetória de reconhecimento, incorporação e legitimação crescentes dessas teorizações nas últimas décadas. A extensa lista de grupos de estudos e pesquisa, registrada na plataforma Lattes do CNPq com esse foco de investigação, constitui um sinalizador contundente disso. A ampla gama de organizações da sociedade civil e de movimentos sociais que se envolvem com essas questões é outro elemento que nos permite reconhecer esse processo. E a proposição e implementação de políticas públicas que pretendem intervir nessas relações de desigualdade para transformá-las constitui mais um sinal importante dessa "institucionalização" que estamos vivendo.
É claro que essas (e outras) evidências acadêmicas e políticas atuais de institucionalização de perspectivas (plurais e até conflitantes) de gênero e sexualidade não podem ser atribuídas, linear e unicamente, a um governo e aos partidos políticos que lhe dão sustentação e nem resultam de ações isoladas de políticos, grupos, instituições e entidades acadêmicas e sociais. Elas resultam de processos multifacetados, disputados e negociados, desencadeados com e a partir dos feminismos e dos movimentos de mulheres, de gays e de lésbicas, dentre outros, em que se articulam movimentos sociais e políticos com abordagens teórico-metodológicas de diferentes matizes. Mais fortemente "localizáveis" nos países ocidentais e na segunda metade do século XX, estes movimentos e abordagens tiveram "o mérito de transformar as até então esparsas referências às mulheres – as quais eram usualmente apresentadas como a exceção, a nota de rodapé, o desvio da regra masculina – em tema central" (LOURO, 2001, p. 19).
Ao mesmo tempo, é necessário, também, dar-se conta que essa "institucionalização em processo" ainda não se afirmou com a mesma ênfase nos currículos formais do ensino fundamental, médio e de formação de professores/as do País. Ela ainda não aparece, com muito destaque, nem na pauta dos grandes eventos e nem na agenda de revistas importantes da área da educação. E é por isso que continua sendo importante e necessário investir na construção de "pontes" que liguem as pesquisas desenvolvidas no âmbito dos programas de pós-graduação do País com os currículos dos cursos de graduação e do ensino fundamental e médio. 
Eu diria, então, que um dos méritos – e desafios – deste livro é o de propor-se a construir "pontes" entre a produção acadêmica de um Grupo de Pesquisa consolidado e as práticas escolares que instigam os estudos que ali se desenvolvem. E como tal, ele se inscreve tanto em um movimento de consolidação acadêmica e política desse Grupo quanto institui um espaço de encontro e discussão no qual se visibiliza a pluralidade teórico-metodológica e temática que acompanha a produção de conhecimento no âmbito dos feminismos -, características essas que são visíveis nos capítulos que o compõem. E essa proposta, a meu ver, é um atraente convite para que nos envolvamos com sua leitura e com as reflexões que ela pode desencadear.

Referência
LOURO, Guacira. Gênero, sexualidade e educação: uma abordagem pós-estruturalista. Petrópolis: 4. ed. Vozes, 2001. 179 p.

Profa. Dra. Dagmar E. Estermann Meyer
Faculdade de Educação
Universidade Federal do Rio Grande do Sul


-----------------------------------------------------------

APRESENTAÇÃO

Hoje no Brasil, as discussões sobre equidade de gênero têm prioridade no Plano Nacional de Educação (PNE) (BRASIL, 2001) e no Plano Nacional de Políticas para Mulheres (PNPM) (BRASIL, 2004). Diante disso, evidencia-se, aqui, a necessidade da inclusão da questão de gênero nas discussões dentro da escola. A análise crítica do gênero possibilitará melhoria de qualidade da ação pedagógica, propiciando às crianças (meninos e meninas) um ensino que lhes permita acesso irrestrito a todas as áreas do conhecimento, mas também que desenvolvam posturas conscientes e preventivas diante de preconceitos.
Este livro foi elaborado por membros do grupo GSS – Grupo de Estudos sobre Gênero, Sexualidade e Sexo da Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais. Nosso grupo conta com a participação de pesquisadores de diferentes instituições, autoridades da rede de ensino pública e privada, docentes e estudantes da área da educação e áreas afins. Nossa proposta é a investigar e o desenvolver abordagens teórico-metodológicas do gênero e da sexualidade no campo da formação humana, incluindo a formação docente e a elaboração de estratégias de inclusão e de desconstrução de preconceitos nos âmbitos da educação formal ou informal. O GSS entende a categoria de gênero como resultante de construções sócio-culturais associadas à diferença sexual. 
Neste livro buscamos compreender suas consequências nas vidas públicas e privadas dos indivíduos. Dentre os temas abordados, temos o assédio sexual na adolescência, comportamento sexual e liberdade, aspectos da violência escolar (ser macho, ser feminino), a homofobia na escola, a construção de masculinidades e feminilidades nos vários ambientes escolares e na relação docente-alunos (as). Portanto, esse é um material didático criado para informar os (as) profissionais de ensino sobre as questões de gênero no processo de ensino e aprendizagem.
O livro orienta a discussão de temas sensíveis, frequentemente evitados na escola, mas que tanto têm causado sofrimento, humilhações e perdas para aqueles muitos e muitas nos ambientes escolares. Os textos e estratégias de ensino buscam sensibilizar formadores, docentes e futuros docentes sobre as dificuldades que todos temos para viver nossas sexualidades, nossas identidades, enfim nossas diferenças.
Acreditamos que a escola tem o dever e o poder de intervir na formação de indivíduos que exerçam a solidariedade e a justiça. Falar sobre questões de gênero no processo de ensino ‘e falar sobre respeito aos direitos humanos.
O livro inova ao trazer discussão teórica sobre a temática de gênero com sugestões e estratégias para tratar as questões de gênero no espaço escolar.

Profa. Dra. Adla Betsaida Martins Teixeira
GSS – Grupo de Estudos sobre Gênero, Sexualidade e Sexo em Educação.
Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais.


Referências

BRASIL. Plano Nacional de Educação - PNE. Ministério da Educação. Brasília: Inep, 2001.



 Plano Nacional de Políticas para as Mulheres. Brasília: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, 2004.



capa

Mais Visualizações

Detalhes

SUMÁRIO

  • PREFÁCIO Dagmar E. Estermann Meyer
  • APRESENTAÇÃO 
  • I. INCLUSÃO DA PERSPECTIVA DE GÊNERO NA EDUCAÇÃO E NA FORMAÇÃO DOCENTE Maria Eulina Pessoa de Carvalho
  • II. OUTROS OLHARES SOBRE A CORPOREIDADE Adilson Dumont 
  • III. "LOBA É UMA BRINCADEIRA MUITO PERIGOSA, MUITO VIOLENTA E BRUTA..." – GÊNERO, SEXUALIDADE E VIOLÊNCIA NO CONTEXTO ESCOLAR Anderson Ferrari
  • IV. OU ELE OU EU: VIOLÊNCIA E RELAÇÕES 
  • DE GÊNERO NA ESCOLA Fernando Cézar Bezerra de Andrade
  • V. ORIENTAÇÃO SEXUAL: HOMOSSEXUALIDADE E ESCOLA Jaider Fernandes Reis 
  • VI. RELAÇÕES DE GÊNERO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: QUESTIONAMENTOS ACERCA DA REDUZIDA PRESENÇA DE HOMENS NA DOCÊNCIA Janaína Rodrigues Araújo
  • VII. O BILDUNGSROMAN E A FORMAÇÃO DO HÁBITO DA LEITURA Cíntia Carla Moreira Schwantes 
  • VIII. APROPRIAÇÃO DE INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NO TRABALHO DOCENTE Adla Betsaida Martins Teixeira e Clarindo Isaías Pereira da Silva e Pádua
  • IX. A MULHER NA VOLTA À ESCOLA: A QUESTÃO DE GÊNERO NA SALA DE AULA DE EJA Carmem Lucia Eiterer  e Isamara Grazielle Martins Coura


Informações Adicionais

Autor (es) / Organizador (es) Adla Betsaida Martins Teixeira & Adilson Dumont - orgs.
Editora (s) Junqueira&Marin Editores
ISBN 978-85-86305-74-0
Área (s) / Assunto (s) Currículo, Gênero e sexualidade, Formação de educadores, Direitos humanos, Diferenças humanas, Políticas educacionais, Didática, procedimentos de ensino.
Edição / Ano 1ª / 2009
Nº de Páginas 192
Acabamento / Formato brochura - costurado e colado / 14cm x 21cm

Tags do Produto

Utilize espaços para separar tags. Utilize aspas simples (') para frases.