Bem Vindo!

FORMAÇÃO E PROFISSÃO DOCENTE

Seja o primeiro a comentar este produto

Disponibilidade: Em estoque

R$42,00
OU

Descrição Rápida

Célia Maria Guimarães, Pedro Guilherme Rocha dos Reis, Abdeljalil Akkari & Alberto Albuquerque Gomes - orgs.


Este livro reúne dois fatores particularmente relevantes na abordagem investigativa e teorizante da problemática da docência e da formação de docentes nos dias de hoje: (1) por um lado, a transversalidade institucional e de pertenças que congrega um conjunto de valiosos contributos de diversos pesquisadores e instituições, de vários países e com diversas tradições, de Portugal ao Brasil, da Suíça ao México e ao Canadá; (2) por outro, reúnem-se neste livro abordagens com enfoques diferenciados mas convergindo para um objeto comum complexo – a clarificação deste duplo objeto de estudo – a docência e a formação dos docentes - numa sociedade que configura realidades novas neste domínio. 
A própria estrutura e seleção adotada pelos organizadores traduz de forma feliz essas diferentes dimensões, incorporando eixos centrais como a relação teoria-prática, o lugar formativo da pesquisa, as dimensões éticas da profissão, a complexidade dos problemas identitários na história e atuação social dos docentes, a própria problematização diacrônica da ideia de profissão e profissionalidade nas últimas décadas. 



Esta edição recebeu apoio da UNESP – Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" – Faculdade de Ciências e Tecnologia – Campus de Presidente Prudente por meio da FUNDACTE – Fundação de Ciência, Tecnologia e Ensino.


 


 


 




 


 


PREFÁCIO

O livro que tenho a honra de prefaciar, coordenado por Célia Maria Guimarães e Alberto Albuquerque Gomes (UNESP-Brasil), Abdeljalil Akkari (Univ. de Genebra-Suiça) e Pedro Guilherme Rocha dos Reis (Univ. de Lisboa-Portugal), reúne dois factores particularmente relevantes na abordagem investigativa e teorizante da problemática da docência e da formação de docentes nos dias de hoje: (1) por um lado, a transversalidade institucional e de pertenças que congrega um conjunto de valiosos contributos de diversos pesquisadores e instituições , de vários países e com diversas tradições, de Portugal a Brasil, da Suiça ao México e ao Canadá; (2) por outro, reúnem-se neste livro abordagens com enfoques diferenciados mas convergindo para um objecto comum complexo – a clarificação deste duplo objecto de estudo – a docência e a formação dos docentes - numa sociedade que configura realidades novas neste domínio. A própria estrutura e selecção adoptada pelos organizadores traduz de forma feliz essas diferentes dimensões, incorporando eixos centrais como a relação teoria-prática, o lugar formativo da pesquisa, as dimensões éticas da profissão, a complexidade dos problemas identitários na história e actuação social dos docentes, a própria problematização diacrónica da ideia de profissão e profissionalidade nas últimas décadas. 
Nos textos que aqui se apresentam podemos identificar uma tensão dialéctica – que de alguma forma incorpora os processos de mudança e de alguma conflitualidade e angústia com que os próprios professores de hoje se confrontam no dia-a-dia do seu agir profisssional – entre um tempo e um modo e ser professor que caracterizou a história da profissão até aos anos 60-70 do século XX , e o exercício e vivência da mesma função de ensinar numa realidade socioeducativa muito diferente, que irrompeu e se enraizou a partir da massificação e expansão da escolarização. Esta transformação vem-se desenvolvendo no quadro de transformações sociais profundas e de processos políticos globais, gerando o que alguns designam de crise e vêem como problema, mas que prefiro designar como uma pressão histórica geradora de condições – e exigências - novas que podem permitir operar um salto qualitativo no desenvolvimento profissional dos docentes e uma oportunidade a não perder da sua maior afirmação social. Essa possibilidade de um passo em frente no desenvolvimento profissional docente depende da melhoria da qualidade do desempenho que o grupo conseguir oferecer às comunidades que serve, ressignificando a relevância da função social que desempenha, mediante ganhos de qualidade e eficácia da mesma. Esta ressignificação desejável e possível, mas não garantida, depende, por um lado, da melhoria articulada entre os vectores da qualidade e da equidade do ensino, correlativas da melhoria e aprofundamento da aprendizagem dos alunos, que afirmamos ser um direito de todos e, por outro, requer a reconfiguração das lógicas e contextos da formação dos docentes. Os textos aqui reunidos abrem numerosas janelas e geram uma frutuosa conversação no sentido dessa ressignificação. 
A leitura deste conjunto de textos suscita-me a identificação de alguns eixos teóricos e investigativos actuais , em que o livro se movimenta, pela voz polifónica dos seus autores. Eles traduzem os campos de tensão praxiológica no interior da profissão docente, tensões que atravessam também a produção teórica e investigativa actual, no duplo campo de estudo que constitui o cimento deste livro – docência e formação - e um dos factores maiores do interesse da sua leitura
Partilho assim, com os autores e os leitores, a minha leitura deste conjunto de eixos problematizadores que os textos, de maneira diferente, convocam perante o nosso olhar. Proponho centrar esta análise em dois conjuntos de coordenadas que enquadram a profissão docente e, consequentemente, a formação dos seus actores. 
Nessas coordenadas podemos distinguir um primeiro bloco, que designo por coordenadas estruturantes e se reportam à própria natureza da função do professor, embora modeláveis e plásticas. São elas uma constelação de elementos que se agregam em torno da centralidade do saber ensinar como o legitimador histórico da emergência, afirmação e desenvolvimento do grupo profissional dos docentes. Desses elementos constitutivos da profissão, e consequentemente orientadores da sua formação, destacam-se como centrais os que se reportam (1) à relação do docente com o currículo com que trabalha , seus conteúdos e intencionalidades, que requerem um sólido saber conteudinal substantivo, proveniente da ciência e da cultura de cada época e da análise de cada contexto, e (2) os referentes aos saberes implicados directamente no agir profissional na sua operacionalização pedagógico-didáctica. Esta operacionalização no agir quotidiano e singular configura-se por sua vez à luz do conhecimento dos sujeitos aprendentes e dos seus contextos, onde convergem os saberes provenientes das ciências da educação na sua pluralidade. Podemos de algum modo afirmar que ser professor implica sempre estes elementos, de forma transversal aos tempos e às circunstâncias. Por isso designei este primeiro conjunto de coordenadas como estruturantes da profissão e da formação.
Mas o exercício real da docência é configurado por um segundo conjunto de coordenadas enquadradoras da acção docente que designo como coordenadas mutantes, que se relaciona com as dimensões contextualizadoras da acção profissional de que, no tempo actual , se podem destacar, pela sua centralidade, as dimensões seguintes, que de formas diversas e com olhares diferentes os textos deste livro contribuem também para clarificar, sobretudo nas suas implicações para os processos formativos:
A relação da função docente com a sociedade - ensinar tornou-se uma função muito mais complexa desde que a educação se transformou , ou vai transformando , num efectivo direito de todos, trazendo para o interior da escola a diversidade social e cultural dos cidadãos que somos. Este "salto" histórico resultante da massificação-expansão, que se quer associado a um direito de todos a um ensino de qualidade, coloca ao docente e à escola um novo conjunto de desafios face aos quais a maioria das formações permanece pouco sensível. Transporta para o interior do agir docente, e para o interior da organização escolar e da instituições formativas, um conjunto de contradições existentes no statu quo do ensino e da formação, que só podem ser resolvidas através de um repensar dos modos de organizar o trabalho de ensinar e aprender, e um consequente re-teorizar do trabalho da formação, muito bem documentados em vários dos trabalhos deste livro, de que peço permissão para destacar os de Pedro Reis e outros, e Gracinda Hamido e outros, nestes casos com base em pesquisa desenvolvida em Portugal sobre experiências e projectos direccionados no sentido de repensar a docência, e de conceber a formação como um processo de construção de saber e saber agir alimentados na teorização da própria acção profissional
A relação do professor consigo e com os seus pares – outra linha mutante no enquadramento da acção de ensinar prende-se cm a ruptura com os modos organizativos dominantes nas culturas docentes, que Andy Hargreaves há mais de uma década caracterizou como predominantemente pautada pelo individualismo ou pseudo-colegialidade (1998). As circunstâncias e a complexidade actuais da função de ensinar não se podem orientar para a melhoria das aprendizagens, cada vez mais socialmente necessária, sem que uma ruptura se processe nesta cultura, em favor de lógicas colaborativas e docência realizada em, com e por equipas de trabalho, potencializando também os recursos e possibilidades tecnológicas do tempo actual, e que sustentam algumas das análises que integram este livro . A esta transformação estrutural do exercício da docência associa-se uma dimensão ético-deontológica, ainda débil no interior do corpo profissional docente e nas filosofias da formação, que se traduz na assunção plena da responsabilidade social dos docentes no dever de garantir a todos a melhor aprendizagem possível. Algo que ambiciono homólogo ao que na profissão médica tem o seu referencial no juramento de Hipócrates, repensado aqui para a ética do ser docente enquanto conjunto de referentes do dever profissional de ensinar bem, e não apenas generosidade, ética de relações no agir moral da pessoa individual de cada docente, como muitas vezes é entendido pelo senso-comum. Esta dimensão deontológica, que também atravessa alguns dos textos aqui publicados, que se quer partilhada pelo colectivo profissional que a produz e assume como sua, constitui um passo difícil num corpo profissional historicamente muito funcionarizado, desde logo pela sua larga dependência dos poderes políticos que gerem a educação. Mas tal passo, ainda adiado no interior da profissão docente, é certamente necessário ao reclamado reforço da profissionalidade do docente.
A relação do docente com o seu saber- todas estas coordenadas "mutantes" que envolvem o ser professor hoje implicam desconstruir e reconstruir as representações sociais sobre o professor e no interior do próprio professorado, no que respeita a uma reconceptualização do carácter distintivo do seu saber profissional. Um docente deste tempo e do futuro próximo, na perspectiva que defendemos, só poderá exercer o ensino com eficácia e equidade face aos seus aprendentes mediante um reforço substantivo da natureza analítica e teorizadora do saber que mobiliza para o exercício da sua prática. Implica isso assumir-se como profissional de uma prática social relevantíssima e por isso necessariamente questionadora, teorizante e produtora de saber próprio. Implica assumir-se o docente como um profissional de cultura, um intelectual habilitado à análise realização da sua práxis para a reorientar e melhorar. Implica não se representar como alguém que age segundo o que outros pensam ou determinam, mas que sabe agir segundo o que analisa e sabe e mobilizando o saber que se reconstrói no seu grupo de pares. Implica, de alguma maneira, fazer o luto do professor como prático, para poder desenvolver uma melhor prática de ensino.
As implicações dos trabalhos aqui reunidos para a formação de docentes são claras. Trata-se de as sustentar num conceito de profissional de ensino situado no seu tempo e na sua circunstância, parafraseando a expressão intemporal de Ortega Y Gassett, e confrontado com um processo de desenvolvimento profissional complexo mas enriquecedor. 
Induz-se uma reorientação dos processos formativos, de vários tipos e em vários momentos da vida do docente – a formação inicial, o apoio formativo ao professor principiante, a formação como elemento estruturador da progressão do trabalho dos docentes ao longo da vida e em diferentes contextos - em duas direcçoes que me parecem evidenciadas nos estudos aqui publicados: (1) a centração da formação num perfil profissional, estruturado na construção e desenvolvimento permanentes do saber e das competência requeridas para saber ensinar e desenvolvidas e mobilizadas nos contextos de trabalho, e (2) a reconfiguração das relações entre as escolas, enquanto organizações implicadas no ensino e educação onde os docentes exercem a sua acção, e as instituições implicadas na formação dos docentes –as universidades, institutos ou escolas de formação. Importa, para desenvolver este profissional docente do futuro, que sirva com mais equidade o direito de todos a aprender, que estas duas instâncias se tornem parceiras efectivas , numa lógica de parceria permanente e não pontual, constitutiva de novas redes de construção e reconstrução identitária de profissionais docentes.
Aos autores o muito obrigado de quem, lendo, aprendeu mais. Aos leitores, o incentivo para que ensinando, investigando ou formando, ajudem a repensar a profissionalidade e as identidades deste corpo social que se quer de elite, porque construtor da real democratização da aprendizagem. 


Maria do Céu Roldão
Professora convidada da Universidade Católica Portuguesa - PT
Curitiba, março de 2011

capa

Mais Visualizações

Detalhes

SUMÁRIO

  • PREFÁCIO Maria do Céu Neves Roldão
  • ALIANDO PESQUISA E FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL: RUMO À TEORIZAÇÃO  Alda Junqueira Marin; Luciana Maria Giovanni e Maria Regina Guarnieri
  • COMO AS IDENTIDADES CONFIGURAM A FORMAÇÃO – UMA ANÁLISE A PARTIR DA OPINIÃO DE PROFESSORES PORTUGUESES SOBRE EFEITOS DA FORMAÇÃO CONTÍNUA Maria Amélia da Costa Lopes e Maria De Fátima Carneiro Ribeiro Pereira
  • LIGAÇÃO ESCOLA-UNIVERSIDADE: UMA EXPERIÊNCIA DE COLABORAÇÃO PROMOTORA DO DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DOS PROFESSORES Pedro Guilherme Rocha Dos Reis; Cláudia Barreiros Macedo de Faria; Cecília Galvão e Ana Sofia Martins Silva Freire dos Santos Raposo
  • EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NA IBERO-AMÉRICA: UM ESTUDO DO PROGRAMA IBERFOP Ramon de Oliveira
  • LA TAREA INCUMPLIDA EN LA FORMACIÓN DE DOCENTES DE EDUCACIÓN BÁSICA EN MÉXICO María Teresa Yurén Camarena
  • A INSERÇÃO PROFISSIONAL NO ENSINO: ALGUNS PONTOS DE REFERÊNCIA SOBRE UMA REALIDADE COMPLEXA Abdeljalil Akkari e Maurice Tardif
  • INICIAÇÃO À PRÁTICA E DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL NOS CURSOS DE EDUCAÇÃO BÁSICA DA ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE SANTARÉM (ESES): LÓGICAS, CONFIGURAÇÕES E DINÂMICAS GRACINDA Maria Nunes Costa Hamido; Helena Maria Ferreira Moreno Luís e Isabel Alexandra Damasceno Piscalho
  • CONTRIBUTOS DA PRIMEIRA IMPLEMENTAÇÃO DO PERÍODO PROBATÓRIO PARA O DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DOS PROFESSORES PORTUGUESES Teresa N. R. Gonçalves; Pedro Guilherme Rocha dos Reis e Luciana Mesquita da Silva
  • A PROFISSIONALIZAÇÃO DOS PROFESSORES: DEBATES INTERNACIONAIS E AS IMPLICAÇÕES NO BRASIL Ana Sheila Fernandes Costa e Abdeljalil Akkari
  • A PEDAGOGIA ONTOPSICOLÓGICA E A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO Estela Maris Giordani e Adriane Maria Moro Mendes
  • O LUGAR DA EXPERIÊNCIA NAS PRÁTICAS EDUCATIVAS Divino José da Silva
  • ALMA E CORPO – ÉTICA DEONTOLÓGICA DA PROFISSÃO DOCENTE – UM CONSTRUCTO IDENTITÁRIO  Maria Teresa de Carvalho Gonçalves Samora Macara; Maria Clara Correia Ferreira Lino & António das Neves Duarte Teodoro
  • EDUCAÇÃO EM VALORES E REPRESENTAÇÕES DOCENTES: QUEM EDUCA O PROFESSOR? Maria Suzana de Stefano Menin; Patricia Unger Raphael Bataglia & Alessandra de Morais Shimizu
  • REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DOS FORMANDOS DOS CURSOS EFA SOBRE CIDADANIA DIGITAL Ana Paula Pedro e Marta Filipa Soares da Conceição

 

Informações Adicionais

Autor (es) / Organizador (es) Célia M. Guimarães, Pedro G. Reis, Abdeljalil Akkari & Alberto Gomes - orgs.
Editora (s) Junqueira&Marin Editores
ISBN 978-85-86305-95-5
Área (s) / Assunto (s) Formação de professores, Estudos internacionais, Pesquisa e formação, Política educacional, Dimensões da profissão docente.
Edição / Ano 1ª / 2011
Nº de Páginas 304
Acabamento / Formato brochura - costurado e colado / 14cm x 21cm

Tags do Produto

Utilize espaços para separar tags. Utilize aspas simples (') para frases.