Bem Vindo!

QUALIDADE DA GRADUAÇÃO: a relação entre ensino, pesquisa e extensão e o desenvolvimento profissional docente

Seja o primeiro a comentar este produto

Disponibilidade: Em estoque

R$40,00
OU

Descrição Rápida

Maria Isabel da Cunha - org.


A primeira metade dos anos noventa sugeriu investimentos nas formas de ensinar e aprender que revitalizassem o ensino superior, notadamente através da análise das práticas inovadoras no currículo e na sala de aula, com vistas à teorização da base dos saberes docentes, rupturantes com o paradigma dominante da modernidade. Sem abandonar essa trajetória, a segunda metade dos noventa trouxe os efeitos das políticas externas, de cunho neoliberal, definindo parâmetros únicos de qualidade, instituídos especialmente pela avaliação externa, mais propriamente pelo "provão". Percebendo o impacto dessas políticas foram direcionados os esforços investigativos na análise das repercussões desse mecanismo sobre os saberes docentes.
O Grupo de Pesquisa "Ensino, Formação de Professores e Avaliação" se dividiu em oito Eixos de Análise, visando compreender a temática da indissociabilidade do ensino, pesquisa e extensão a partir de diferentes focos e múltiplos atores. São eles: (1) a visão da literatura e dos intelectuais; (2) perspectiva institucional – pró-reitores e ForGrad; (3) visão dos professores pesquisadores consolidados; (4) perspectiva dos bons professores que não são pesquisadores stricto sensu; (5) visão dos professores iniciantes; (6) perspectiva dos estudantes; (7) perspectiva da Educação à Distância (8) visão da sociedade. Esses Eixos estruturam a organização do livro. Cada texto apresenta uma estrutura própria, incluindo alguns referenciais teóricos que ajudaram a dar consistência ao seu objeto. Nesse sentido pode ser lido de forma independente. Entretanto, todos os textos guardam pressupostos comuns e são sustentados por compreensões conceituais que foram tomadas pela pesquisa como um todo.


Esta edição recebeu apoio da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – CAPES e do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico – CNPq.


 


 






 


Apresentação: 

A trajetória do Grupo de Pesquisa Ensino, Formação de Professores e Avaliação, registrado no CNPq e coordenado por mim há mais de quinze anos, tem se dedicado à educação superior, como foco preferencial. Durante esse percurso os temas investigados foram gestados pelo próprio Grupo, no contexto das culturas e políticas publicas de educação no Brasil. A primeira metade dos anos noventa sugeriu investimentos nas formas de ensinar e aprender que revitalizassem o ensino superior, notadamente através da análise das práticas inovadoras no currículo e na sala de aula, com vistas à teorização da base dos saberes docentes, rupturantes com o paradigma dominante da modernidade. Sem abandonar essa trajetória, a segunda metade dos noventa trouxe os efeitos das políticas externas, de cunho neoliberal, definindo parâmetros únicos de qualidade, instituídos especialmente pela avaliação externa, mais propriamente pelo "provão" . Percebendo o impacto dessas políticas direcionamos os esforços investigativos na análise das repercussões desse mecanismo sobre os saberes docentes.
O Projeto Formatos Avaliativos e Concepção de Docência teve duração de três anos (2000-2002) e seus resultados estão descritos no livro CUNHA, Maria Isabel (org.) Formatos Avaliativos e concepção de docência, São Paulo, Autores Associados, 2005. Fundamentalmente compreendemos que a avaliação externa foi sendo estruturada como uma cultura na universidade, com alguns efeitos positivos. Entretanto, o reducionismo do modelo – centrado em uma única prova universal – acarretou silenciamentos de temas caros à tradição universitária. Mesmo atingidos com o padrão de sucesso posto pelo provão, percebemos que alguns docentes protagonizavam práticas que se afastavam do modelo prescrito, retomando a diferença e o contexto cultural como integrante dos processos de ensinar e aprender. Esse achado nos estimulou a investigar as razões dessa resistência e como esses docentes vinham realizando suas práticas.
Desenvolvemos, então, o Projeto denominado Pedagogia universitária: energias emancipatórias em tempos neoliberais (2003-2005). Nesse Projeto a intenção foi localizar e estudar analiticamente, experiências de ensinar e aprender que fossem percebidas como inovadoras no âmbito dos Cursos de Graduação. Usando referenciais de Sousa Santos, Lucarelli, Leite e Cunha, foram analisadas experiências tentando perceber se as mesmas se constituíam em inovações, na perspectiva da ruptura paradigmática. Os resultados da pesquisa estão descritos e publicados no livro CUNHA, Maria Isabel da (org.) Pedagogia universitária: energias emancipatórias em tempos neoliberais, Junqueira&Marin Editores, 2006. 
Ao concluir o estudo percebemos que os docentes pesquisados eram portadores de interessantes saberes que os tornava capazes de propor formas significativas de aprendizagens para seus alunos. Entusiasmados com os achados, provocamos os professores a escrever sobre suas práticas. Tivemos, então, certa frustração, pois eles admitiam saber fazer, mas resistiam a enfrentar a sistematização do que realizavam, de forma escrita. Inferimos que essa dificuldade decorria da ausência de uma base teórica das ciências da educação que resultava em uma reflexão carente de fundamentos sistematizados.
Essa compreensão estimulou a continuidade da trajetória optando por estudar e analisar a problemática da formação do professor universitário e denominamos de Trajetórias e lugares de formação da docência universitária: da perspectiva individual ao espaço institucional. (2006-2008). Adotando um marco conceitual que desse significado aos termos espaço, lugar e território, fomos compreendendo, através das experiências analisadas, a complexidade de apreensão das mesmas, dada as suas características e volatilidade. Procuramos, porém, eleger processos que explicitavam alguma constância e que eram reconhecidos na universidade como possibilidade de formação.
Entre as conclusões mais significativas desse Projeto esteve a que possibilitou a análise da perplexidade provocada pela dissonância entre o discurso da indissociabilidade do ensino, da pesquisa e da extensão – referente da qualidade da educação superior - e as perspectivas de formação e recrutamento dos professores universitários. O equívoco tem sido assumir que os saberes da pesquisa constituem a exclusiva base da profissão de professor. É notório que os Programas de Pós-Graduação stritu-senso se constituíram no lugar privilegiado de formação dos docentes, baseando seus projetos pedagógicos na dimensão da pesquisa sem, em geral, se preocuparem com os saberes próprios do exercício da docência e muito pouco mencionam a extensão como espaço de competência profissional. Em muitas carreiras, porém, os saberes da profissão de origem contam com alto significado. Entretanto são raras as iniciativas que tomam a relação entre esses distintos saberes na configuração da docência universitária.
Essa condição estimulou a apresentação do Projeto Qualidade do ensino de graduação: a relação entre ensino, pesquisa e desenvolvimento profissional docente (2009-2011) que é objeto do livro aqui apresentado. As questões básicas que movimentaram nossas energias investigativas no âmbito deste Projeto se articularam em torno da compreensão do conceito de indissociabilidade manifestada pelos atores acadêmicos e as repercussões dessa compreensão na prática pedagógica da educação superior. Interessou-nos, especialmente o ensino de graduação pela crescente exigência de propor indicadores de qualidade e pela complexidade que essa condição apresenta.
Para desenvolvê-lo, à semelhança dos anteriores, o Grupo se dividiu em oito Eixos de Análise, visando compreender a temática da indissociabilidade do ensino, pesquisa e extensão a partir de diferentes focos e múltiplos atores. São eles: (1) a visão da literatura e dos intelectuais; (2) perspectiva institucional – pró-reitores e ForGrad; (3) visão dos professores pesquisadores consolidados; (4) perspectiva dos bons professores que não são pesquisadores stricto sensu; (5) visão dos professores iniciantes; (6) perspectiva dos estudantes; (7) perspectiva da Educação à Distância (8) visão da sociedade. Esses Eixos estruturam a organização do livro. Cada texto apresenta uma estrutura própria, incluindo alguns referenciais teóricos que ajudaram a dar consistência ao seu objeto. Nesse sentido pode ser lido de forma independente. Entretanto, todos os textos guardam pressupostos comuns e são sustentados por compreensões conceituais que foram tomadas pela pesquisa como um todo.
O primeiro estudo se propôs a aprofundar o conceito de indissociabilidade do ensino, pesquisa e extensão, concordando que não há uma clara compreensão do mesmo, dada a sua naturalização no espaço acadêmico. Para tal fez uma imersão na literatura e ouviu a opinião de sete intelectuais brasileiros, estudiosos das questões universitárias.
O segundo estudo procurou auscultar as perspectivas institucionais sobre o tema e para tal, elegeu os pró-reitores de graduação como interlocutores preferencias. Também fez uma análise documental dos Anais das Reuniões Nacionais do Fórum de Pró-Reitores de Graduação – ForGrad, com o objetivo de identificar movimentos e trajetórias de operacionalização da indissociabilidade.
Ouvir os pesquisadores consolidados, sobre suas experiências na operacionalização do conceito de indissociabilidade, foi o objeto do terceiro estudo, que envolveu docentes de diferentes Instituições do país. Se a pesquisa qualifica o ensino, como os docentes pesquisadores relatam suas práticas na graduação?
Na mesma direção, o quarto Eixo procurou ouvir os docentes reconhecidos como bons professores pelos alunos e por seus pares, mas que não são necessariamente pesquisadores no sentido restrito, isto é não dedicam tempo especial para desenvolver projetos investigativos. Como explicam sua compreensão sobre a indissociabilidade e a qualidade da educação superior?
O estudo cinco centrou sua atenção nos professores iniciantes que, com uma formação centrada nos saberes da pesquisa, enfrentam o desafio do ensino num contexto social e histórico específico. Gerou dois textos. Um deles explorou as motivações dos docentes iniciantes para com a docência, seus saberes e desafios; e outro analisou suas perspectivas sobre a inserção profissional e a qualidade do ensino de graduação.
Ouvir os estudantes sobre o tema ocupou a equipe que pesquisou o sexto Eixo. Dada a amplitude da empiria realizada, dois textos foram organizados para apresentar os resultados. Um deles tomou como preferencial analisar a representação dos estudantes sobre a qualidade da educação superior e outro centrou a análise nas possibilidades e desafios para concretizar a indissociabilidade do ensino, pesquisa e extensão. Como os estudantes percebem essa relação? 
Dada a crescente importância dos Cursos na Modalidade à Distância na universidade brasileira, o Eixo sétimo procurou compreender como a indissociabilidade é compreendida e operacionalizada nessa proposta de ensinar e aprender. Ouviu coordenadores de Cursos em EAD e analisou materiais instrucionais como material empírico.
Por fim, mas não menos importante, o estudo oito tomou o que chamamos "vozes da sociedade" para completar o tema. Empregadores e gestores públicos e privados, que recebem os egressos da universidade o que opinam sobre a qualidade da educação superior? Está, o conceito de indissociabilidade percebido por estes atores sociais? Que representações constroem sobre a qualidade?
Os resultados da trajetória investigativa são aqui apresentados reconhecendo sua incompletude e parcialidade. Em nenhum momento cremos que poderíamos dar respostas conclusivas sobre tão complexo tema e tão desafiante indagação. Entretanto ficamos com a perspectiva de contribuir para a reflexão a respeito de temas tão candentes para a educação superior. Compartir esses resultados alimenta nossa convicção que o conhecimento só aumenta e se qualifica, quando se reparte. E essa é nossa intenção.


Maria Isabel da Cunha
São Leopoldo, junho de 2012



capa

Mais Visualizações

Detalhes

SUMÁRIO 

  • APRESENTAÇÃO 
  • ESTUDO UM 
  • A INDISSOCIABILIDADE DO ENSINO COM A PESQUISA E A EXTENSÃO COMO REFERENTE DA QUALIDADE NA UNIVERSIDADE BRASILEIRA: UM DISCURSO EM TENSÃO Maria Isabel da Cunha 
  • ESTUDO DOIS 
  • QUALIDADE DE ENSINO DE GRADUAÇÃO E OS MITOS EM DISCURSOS INSTITUCIONAIS Luís Henrique Sommer, Tânia Maria Baibich, Marialva Moog Pinto, Blasius Silvano Debald, Inajara Vargas Ramos e Marcelo Cesar Salami 
  • ESTUDO TRÊS 
  • A RELAÇÃO ENTRE ENSINAR/APRENDER/PESQUISAR: OS PROFESSORES PESQUISADORES QUALIFICAM O ENSINO DE GRADUAÇÃO? Cristina Bohn Citolin, Eliane De Lourdes Felden, Elisa Prestes Massena, Mari Margarete Dos Santos Forster, Maria Antonia Ramos de Azevedo e Sandra Regina Soares 
  • ESTUDO QUATRO 
  • DOCENTES NÃO PESQUISADORES: CONSTRUTOS E CONTRIBUIÇÕES NA QUALIDADE DO ENSINO DE GRADUAÇÃO Vânia Alves Martins Chaigar, Lígia Cardoso Carlos, Maria Janine Dalpiaz Reschke e Marja Leão Braccini 
  • ESTUDO CINCO – PARTE I 
  • DOCENTES UNIVERSITÁRIOS INICIANTES: CONTEXTOS, MOTIVAÇÕES E EXPERIÊNCIAS
  • Beatriz Maria Boéssio Atrib Zanchet,  Maurício Cesar V. Fagundes,  Catia Simone Vighi,  Leidne Sylse de Mello Carreño,  Helenara Plaszewski Facin , Luana Amaral e Tassia Valente Silveira 
  • ESTUDO CINCO – PARTE II 
  • DOCENTES UNIVERSITÁRIOS INICIANTES: PREPARAÇÃO PROFISSIONAL E QUALIDADE DA EDUCAÇÃO SUPERIOR
  • Beatriz Maria Boéssio Atrib Zanchet, Nadiane Feldkercher, Neridiana Fabia Stivanin, Helena Beatriz Mascarenhas De Souza, Gabriela Machado Ribeiro, Francine Borges e Maiara Rodrigues 
  • ESTUDO SEIS – PARTE I 
  • REPRESENTAÇÕES DE ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS SOBRE QUALIDADE NA EDUCAÇÃO SUPERIOR
  • Gildo Volpato e Marinalva Lopes Ribeiro 
  • ESTUDO SEIS – PARTE II 
  • A RELAÇÃO ENSINO E PESQUISA NO ENSINO SUPERIOR NA PERSPECTIVA DOS ALUNOS: PERSPECTIVAS E DESAFIOS
  • Alba Regina Battisti de Souza,Denise Rosa Medeiros e Camila Güntzel 
  • ESTUDO SETE 
  • QUALIDADE DO ENSINO DE GRADUAÇÃO: A RELAÇÃO DO ENSINO E DA PESQUISA NO CONTEXTO DA EAD Suzana Cini Freitas Nicolodi 
  • ESTUDO OITO 
  • A QUALIDADE DA FORMAÇÃO ACADÊMICA: QUAL A PERSPECTIVA DA SOCIEDADE?
  • Maria Aparecida Marques da Rocha, Maisa Beltrame Pedroso, Silvana da Saúde Folis Flores, Monalisa da Silva Pinheiro e Gabriela Peters Lumerzt 
  • DIÁLOGO COM OS RESULTADOS DO ESTUDO: O QUE APRENDEMOS SOBRE A QUALIDADE DO ENSINO DE GRADUAÇÃO E A RELAÇÃO ENTRE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E O DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DOCENTE? Maria Isabel da Cunha
  • ORGANIZADORA E AUTORES 

Informações Adicionais

Autor (es) / Organizador (es) Maria Isabel da Cunha - org.
Editora (s) Junqueira&Marin Editores
ISBN 978-85-8203-015-8
Área (s) / Assunto (s) Ensino Superior; Formação de Professores; Pesquisas no Ensino Superior; Organização do Ensino Superior.
Edição / Ano 1ª / 2012
Nº de Páginas 288
Acabamento / Formato brochura - costurado e colado / 14cm x 21cm

Tags do Produto

Utilize espaços para separar tags. Utilize aspas simples (') para frases.