Bem Vindo!

TEMAS EM EDUCAÇÃO ESPECIAL: deficiências sensoriais e deficiência mental

Seja o primeiro a comentar este produto

Disponibilidade: Em estoque

R$45,00
OU

Descrição Rápida

Maria Amelia Almeida, Enicéia Gonçalves Mendes & Maria Cristina Piumbato Innocentini Hayashi - orgs.


Mais de 400 trabalhos foram apresentados durante o II Congresso Brasileiro de Educação Especial. Desses, 147 foram indicados com potencial para publicação. Depois de todo um processo de revisão de pares, somente 81 foram, efetivamente, aprovados para publicação. Esses trabalhos foram então agrupados por temáticas e distribuídos em dois livros. Como havia um contingente bastante expressivo de trabalhos que abordavam a temática das deficiências sensoriais, resolvemos agrupar estes com aqueles que abordavam a deficiência mental e compor um livro.
Assim, o presente livro foi dividido em duas partes: deficiências sensoriais e deficiência mental, conforme pode ser observado no Sumário do livro inserido logo abaixo.


Esta edição contou com o apoio da CAPES - Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, por meio do PROESP - Programa de Apoio à Educação Especial.


 


 


 




 


 


Apresentação: 


Há exatamente 30 anos, um grupo de professores liderado pela saudosa professora Dra. Carolina Martuscelli Bori criou, na Universidade Federal de São Carlos, o Programa de Mestrado em Educação Especial (PMEE) com área de concentração em Deficiência Mental, que contou com a experiência de pesquisadores em Psicologia, Filosofia e Educação. Apesar desses pesquisadores nunca terem trabalhado diretamente com as principais questões relativas à Educação Especial, uma vez que não havia na instituição (nem no Brasil) um núcleo com tradição de pesquisa e de ensino nessa área, dispuseram-se a enfrentar o problema e a iniciar, com os alunos, um programa de pesquisas. Ao longo da história, para atender aos objetivos de formação de professores e profissionais para a Educação Especial, a estrutura curricular do PPGEEs sofreu três grandes reformulações (nos anos de 1986, 1990 e 1997), sempre com o objetivo de encontrar formas melhores e mais efetivas de organização e de funcionamento. Assim, em 1986, ocorreu a alteração na denominação do curso de Programa de Mestrado em Educação Especial (PMEE) para Programa de Pós-Graduação em Educação Especial (PPGEEs), e na área de concentração, de "Deficiência Mental" para "Educação do Indivíduo Especial", visando a uma maior abrangência do curso. Em 1997, o programa passou por mais uma reformulação em função da criação do doutorado, que foi recomendado pela CAPES em 1999. Atualmente, o PPGEEs tem conceito 5.
Nesses 30 anos de existência, o PPGEEs já formou 382 mestres e 62 doutores. A trajetória para consolidar condições institucionais permanentes para a pesquisa em Educação Especial incluiu o preparo e o envolvimento dos próprios docentes com a pesquisa e o ensino nessa área, resultando em uma sólida interação com centros congêneres no país e no exterior. Os grupos constituídos pelo corpo docente, juntamente com os estudantes de graduação e de pós-graduação, integram em seu cotidiano de trabalho o ensino, a pesquisa e a extensão, estabelecendo um ambiente universitário propício para a formação de novos pesquisadores e docentes do ensino superior.
Com o objetivo de criar um espaço interno de intercâmbio entre alunos e professores, o PMEE organizou em 1982 o I Ciclo de Estudos sobre Deficiência Mental. Em atenção à crescente demanda de espaços de divulgação da produção em Educação Especial no país, posteriormente, o PPGEEs optou por socializar o evento e esses ciclos se tornaram eventos regulares, passando a se configurar como espaço importante para intercâmbio científico no país. Até 1994, foram realizados 8 eventos. A realização desses ciclos oportunizou a criação da coletânea Temas em Educação Especial, cujos livros foram organizados a partir dos trabalhos apresentados nos ciclos. Ao todo, foram organizados 4 livros. No entanto, devido à dificuldade de obtenção de financiamento junto às agências de fomento em 1996 a organização dos ciclos foi suspensa.
Nessa ocasião, a Associação Brasileira de Pesquisadores em Educação Especial - ABPEE já contava com 3 anos de existência, tendo iniciado com um número reduzido de sócios. Conta hoje com mais de 300 sócios regularmente afiliados. Trata-se de uma sociedade civil de direito privado, sem fins lucrativos, que tem por objetivo congregar pesquisadores da área de Educação Especial, promover ou apoiar conclaves científicos, cursos de aperfeiçoamento e especialização em parceria com universidades e manter um veículo de publicação visando à disseminação e à socialização do conhecimento científico produzido na área de Educação Especial. A ABPEE mantém um periódico na área desde 1992 – a Revista Brasileira de Educação Especial – que, embora tenha sofrido problemas de atraso na periodicidade, mantém-se regular desde 2001, conquistando no Qualis/CAPES a classificação de periódico B (Nacional). Na reunião da ANPEd de 2007, foi anunciada a sua classificação para periódico Qualis A (Nacional) pela Comissão de Avaliação da ANPEd.
No ano de 2003, o PPGEEs completaria 25 anos de existência, enquanto a ABPEE completaria seus 10 anos. Com intuito de comemorar momentos tão significativos para as duas entidades, seus dirigentes resolveram estabelecer uma parceria e promover o I Congresso Brasileiro de Educação Especial, retomando, assim, o espaço de intercâmbio científico da área, que estava inativo desde 1994 com a suspensão dos ciclos de estudos do PPGEEs.
O I Congresso Brasileiro de Educação Especial foi realizado no período de 11 a 14 de novembro de 2003 nas dependências da Universidade Federal de São Carlos e congregou mais de 700 participantes, entre pesquisadores, profissionais e estudantes. O programa do evento envolveu a realização de 12 simpósios, 8 mesas redondas, 28 mini- cursos e a apresentação de 350 trabalhos em painéis e comunicações orais. Com a finalidade de marcar a realização desse primeiro congresso, foi organizada a coletânea Temas em Educação Especial: Avanços Recentes, que teve por objetivo publicar os trabalhos apresentados e discutidos nas mesas redondas e simpósios, sendo 46 trabalhos de pesquisadores da área de Educação Especial provenientes de várias Instituições de Ensino Superior do país.
Em 2005, novamente a ABPEE e o PPGEEs/UFSCar estabeleceram mais uma parceria para organizarem o II Congresso Brasileiro de Educação Especial, que foi realizado no período de 3 a 5 de novembro de 2005 no Campus da Universidade Federal de São Carlos. O congresso envolveu uma conferência de abertura, 10 mesas-redondas, 6 simpósios e 37 mini-cursos cobrindo temas de alta relevância científica e interesse dentro da multiplicidade de temas cobertos pela área de Educação Especial . O quadro de convidados compôs-se de 50 pesquisadores de diferentes universidades do país, representantes do MEC, da Secretaria Municipal de Educação e ONGs, além de dois pesquisadores do exterior (Departamento de Educação Especial da Universidade de Iowa e da Escola de Medicina da Universidade de Massachusetts, USA). Além dessas atividades, também foram apresentados 485 trabalhos. Compareceram ao evento mais de 1.000 pessoas.
As sessões de comunicação oral e de pôster foram coordenadas por pesquisadores devidamente convidados para essa atividade que tinham como incumbência indicar os melhores trabalhos para possível publicação. Foram indicados 147 trabalhos. O PPGEEs enviou correspondência para os respectivos autores, com as normas para publicação, convidando-os a submeterem os trabalhos para avaliação. Foram recebidos 97 trabalhos, que passaram por revisão de pares. Para tanto, cada trabalho foi enviado para 3 revisores "ad hoc", pesquisadores da área de Educação Especial. Mais de 80% desses trabalhos receberam parecer favorável à publicação, sendo que a grande maioria recebeu dos revisores indicações de correções e sugestões para aprimoramento do texto. Os trabalhos foram, então, novamente enviados para os autores para incorporação das correções e sugestões feitas pelos revisores. Ao final, foram aprovados 81 trabalhos para publicação, que foram agrupados por temáticas e resultaram em dois livros: Temas em Educação Especial: Múltiplos Olhares e Temas em Educação Especial: Deficiências Sensoriais e Deficiência Mental.
O livro Temas em Educação Especial: Múltiplos Olhares reúne temáticas variadas, como Inclusão: Produção Científica, Políticas Públicas, Formação de Professores, Ensino Colaborativo; Representações Sociais e Formação Docente; Alunos com Necessidades Especiais no Ensino Superior: Acesso, Permanência e Preparação de Professores; A Questão do Aborto por Anomalia Fetal, Recém-Nascidos de Risco e Pré-Escolares Agressivos; Familiares de Crianças com Necessidades Especiais: Questões Variadas; Contribuições do Campo das Habilidades Sociais para a Educação Especial; Atendimento a Alunos com Altas Habilidades; Autismo: Aspectos Comunicativos; Tecnologia Assistiva, Terapia Ocupacional, Escolarização, Iniciação Científica.
O livro Temas em Educação Especial: Deficiências Sensoriais e Deficiência Mental reúne temáticas relacionadas à Surdez, Deficiência Visual, Surdocegueira e Deficiência Mental.
O PPGEEs e a ABPEE acreditam que a publicação desses livros tenha propiciado o registro de debates importantes que os trabalhos de demanda espontânea trouxeram para o II Congresso Brasileiro de Educação Especial, disponibilizando-os para aqueles que não puderam estar presentes durante o referido evento, além de contribuir para a produção do conhecimento na área da Educação Especial.
A comissão atribui o sucesso do evento ao apoio financeiro que complementou o orçamento tornando o evento viável, e por isso agradece às agências patrocinadoras: CNPq, FAPESP e CAPES.
Por fim, o profundo agradecimento à "amiga do PPGEEs", funcionária Elza Fátima P. Zotesso, pela sua dedicação e empenho constante na realização desta obra.


São Carlos, outubro de 2008
Maria Amelia Almeida
Enicéia Gonçalves Mendes
Maria Cristina Piumbato Innocentini Hayashi



capa

Mais Visualizações

Detalhes

SUMÁRIO

  • APRESENTAÇÃO 
  • INTRODUÇÃO 
  • PARTE I
  • DEFICIÊNCIAS SENSORIAIS
  • SURDEZ
  • REVISÃO DA LITERATURA SOBRE A EDUCAÇÃO DE DEFICIENTES AUDITIVOS E SURDOS: O ANTAGONISMO DE PERSPECTIVAS/PRÁTICAS PERSISTE Shirley Teles Barbosa e Kátia de Souza Amorim
  • INCLUSÃO/EXCLUSÃO: MECANISMOS PARA GERENCIAR A ANORMALIDADE SURDA Márcia Lise Lunardi
  • DA CLASSE ESPECIAL À CLASSE REGULAR: UM ESTUDO DA DINÂMICA INTERATIVA ENTRE ALUNOS SURDOS E OUVINTES Edinalma Rosa Oliveira Bastos
  • A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE DE UMA ADOLESCENTE SURDA NAS RELAÇÕES COM A FAMÍLIA DE OUVINTES E PROFESSOR SURDO Francisco Maurício Araújo dos Santos
  • O PAPEL DO INSTRUTOR SURDO EM PROJETOS DE INCLUSÃO ESCOLAR E DE EDUCAÇÃO BILÍNGÜE Lara Ferreira dos Santos, Maria Cecília Rafael de Góes e Cristina Broglia Feitosa de Lacerda
  • O INTÉRPRETE EDUCACIONAL: QUEM É? O QUE FAZ? Celeste Azulay Kelman
  • O SURDO E A REDE TECIDA NO TRABALHO COLABORATIVO Lucyenne Matos da Costa
  • FORMAÇÃO CONTINUADA, PRÁTICA PEDAGÓGICA E PESQUISA-AÇÃO COLABORATIVO-CRÍTICA: UM ENTRELAÇAMENTO POSSÍVEL REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA COM O ALUNO SURDO Mariangela Lima de Almeida e Sulamar Snaider Loreto
  • CONSTRUÇÃO DA RELAÇÃO PEDAGÓGICA ENTRE PROFESSOR OUVINTE E ALUNO SURDO Marinês Amália Zampieri
  • ALUNOS SURDOS X PROFESSORES DE CLASSES REGULARES: DIFICULDADES NA RELAÇÃO ALUNO PROFESSOR Cibele Cristina Boscolo, Daniela Borges e Maria da Piedade Resende da Costa
  • A PRÁTICA DOCENTE EM ATENÇÃO À DIVERSIDADE: A INCLUSÃO DOS ALUNOS SUDOS E OUVINTES NO ENSINO REGULAR Lucimêre Rodrigues de Souza
  • AS CONTRIBUIÇÕES DO JOGO DE XADREZ PARA O DESENVOLVIMENTO COGNITIVO E LINGÜÍSTICO DE ALUNOS SURDOS Fernanda Paloma Antiqueira e Maria Nilcilene Menezes
  • JOGO - FACES E INTERFACES NA EDUCAÇÃO DE SURDOS Gizeli Aparecida Ribeiro de Alencar, Jennifer Morozini e Adriano Marcos Ribas
  • PROGRAMA DE ENSINO INFORMATIZADO E INDIVIDUALIZADO DO ALFABETO DIGITAL POR EQUIVALÊNCIA DE ESTÍMULOS Dariel de Carvalho, Edson Massayuki Huziwara, Lidia Maria Marson Postalli e Deisy das Graças de Souza
  • O RECONTAR DE HISTÓRIAS POR CRIANÇAS SURDAS EM LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS – LIBRAS Aparecida Helena Ferreira Hachimine, Tárcia Regina da Silveira Dias e André Luis Matiolli Rosa
  • DESEMPENHO ACADÊMICO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA USUÁRIAS DE IMPLANTE COCLEAR: ESTUDO PILOTO COM INFORMAÇÕES DOS PROFESSORES Joseli Soares Brazorotto, Maria da Piedade Resende da Costa e Maria Cecília Bevilacqua
  • A EVOLUÇÃO DO VOCABULÁRIO DE CRIANÇAS SURDAS USUÁRIAS DE IMPLANTE COCLEAR Carla Aparecida de Urzedo Fortunato-Queiroz, Maria da Piedade Resende da Costa e Maria Cecília Bevilacqua
  • AVALIAÇÃO DOS BENEFÍCIOS PROPORCIONADOS PELO APARELHO DE AMPLIFICAÇÃO SONORA INDIVIDUAL (AASI) EM CRIANÇAS E JOVENS DA FAIXA ETÁRIA DE 7 A 14 ANOS Cibele Cristina Boscolo e Maria da Piedade Resende da Costa
  • UTILIZAÇÃO DE UM PROCEDIMENTO DE DISCRIMINAÇÃO SEM ERRO (FADING OUT) PARA ENSINO DE DISCRIMINAÇÕES AUDITIVO-VISUAIS A USUÁRIOS DE IMPLANTE COCLEAR Edson Massayuki Huziwara, Lidia Maria Marson Postalli, Deisy das Graças de Souza, Wagner Rogério da Silva e Maria Cecília Bevilacqua
  • SAÚDE OCULAR DE SURDOS MATRICULADOS NO ENSINO MÉDIO Krândila Oliveira Bordin Junqueira de Araújo, Fatima Ali Abdalah Abdel Cader-Nascimento e Kelly Mara Seabra Lima de Moura
  • DEFICIÊNCIA VISUAL
  • PROVER: TECNOLOGIAS ASSISTIVAS VOLTADAS PARA PESSOAS CEGAS OU COM VISÃO SUBNORMAL - ENTRE O QUE SE ESPERA E O QUE SE ENCONTRA Aline Piccoli Otalara, Deisy Piedade Munhoz Lopes, Alzira Cristina Stein-Barana e Leandro Xavier Moreno
  • A INTERAÇÃO SOCIAL ENTRE CRIANÇAS CEGAS E VIDENTES NA SALA DE AULA INCLUSIVA Nelma de Cássia Silva Sandes Galvão
  • A DIGITAÇÃO DE LIVROS EM BRAILLE: UMA EXPERIÊNCIA ÍMPAR NO CAP – MA Sandra Regina Costa Pereira, Josefa Lida Costa Pereira e Maria da Piedade Resende da Costa
  • A HABILIDADE DE PRODUÇÃO TEXTUAL NO SISTEMA BRAILLE Clarissa de Arruda Nicolaiewsky e Jane Correa
  • ENSINO DE ARTE E ATENDIMENTO AO ALUNO COM DEFICIÊNCIA VISUAL NA REDE PÚBLICA ESTADUAL DE ENSINO EM SALVADOR (BA) Eliane de Sousa Nascimento e Roberto Sanches Rabêllo
  • A APLICAÇÃO DAS ARTES PLÁSTICAS PARA DEFICIENTES VISUAIS NA TERCEIRA IDADE Maria da Paz Silva Sousa, Josefa Lídia Costa Pereira e Maria da Piedade Resende da Costa
  • SURDOCEGUEIRA
  • A EDUCAÇÃO DO SURDOCEGO-DIRETRIZES BÁSICAS PARA PESSOAS NÃO ESPECIALIZADAS Shirley Rodrigues Maia
  • PARTE II
  • DEFICIÊNCIA MENTAL
  • CONCEPÇÕES INFANTIS SOBRE A DEFICIÊNCIA MENTAL: EFEITOS DE UM PROGRAMA INFORMATIVO Camila Mugnai Vieira e Fátima Elisabeth Denari
  • UM POR TODOS E TODOS PELO OUTRO: AS INTERAÇÃOES SOCIAIS E A CONSTRUÇÃO DE PROCESSOS IDENTITÁRIOS DO DEFICIENTE MENTAL NA CLASSE REGULAR Suely de Melo Calixto
  • AS CRIANÇAS COM SÍNDROME DE DOWN E A LEITURA DE TEXTOS IMAGÉTICOS Antonilma Santos Almeida Castro
  • O COMPORTAMENTO DE ESCOLHA EM PESSOAS COM DEFICIÊNCIA MENTAL: UMA REVISÃO Giovana Escobal e Celso Goyos
  • A CONSTITUIÇÃO DE SUJEITOS COM DEFICIÊNCIA NO GRUPO TERAPÊUTICO FONOAUDIOLÓGICO: A PASSAGEM DO FUNCIONAMENTO INTERSUBJETIVO PARA O INTRA-SUBJETIVO Carolina Ávila Cisotto e Maria Inês Bacellar Monteiro
  • UM ESTUDO SOBRE A DINÂMICA DIALÓGICA EM UM GRUPO DE JOVENS COM DEFICIÊNCIA MENTAL Débora Dainêz e Ana Paula de Freitas
  • SUPORTE COMUNITÁRIO PARA O TRABALHO DO ADULTO COM DEFICIÊNCIA MENTAL: REVISÃO DE UM PROCESSO Eliane Aparecida Campanha Araújo, Giovana Escobal e Celso Goyos
  • REPERTÓRIO SOCIAL DE TRABALHADORES COM DEFICIÊNCIA MENTAL: PONTO DE VISTA DE SEUS SUPERVISORES Juliane Ap. de Paula Perez Campos e Maria Amélia Almeida
  • QUALIDADE DE VIDA DE ADULTOS COM DEFICIÊNCIA MENTAL LEVE: A RELAÇÃO ENTRE A AVALIAÇÃO DOS CUIDADORES E DAS PRÓPRIAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA Fernanda Saviani-Zeoti e Eucia Beatriz Lopes Petean

Informações Adicionais

Autor (es) / Organizador (es) Maria Amelia Almeida, Enicéia G. Mendes & Maria Cristina Hayashi - orgs.
Editora (s) Junqueira&Marin Editores
ISBN 978-85-86305-68-9
Área (s) / Assunto (s) Educação Especial; Formação de Educadores; Política Educacional; Pesquisas sobre Deficiências Sensoriais e Deficiência Mental; Exclusão / Inclusão.
Edição / Ano 1ª / 2008
Nº de Páginas 364
Acabamento / Formato brochura - costurado e colado / 18cm x 26cm

Tags do Produto

Utilize espaços para separar tags. Utilize aspas simples (') para frases.